27 de junho de 2007

Penso eu de que

Consta que no dia de abertura entraram no Museu Berardo 12.000 pessoas. Eu circulo por alí mas não entrei. Tudo o que implique muita gente assusta-me. Agrada-me pensar que a Arte dita Contemporânea deixou de ser a tela branca com o ponto azul "que até eu pintava" e o "pintam uma coisa daquelas e ganham um dinheirão" para passar a ser uma coisa pela qual se interessam tantas pessoas. É a democratização da Arte Contemporânea em Portugal. Finalmente...

2 comentários:

M disse...

estive lá e vi com os meus próprios olhos famílias inteiras, com bebés a dormir nos carrinhos, que contemplavam (com atenção) arte contemporânea, à 1h30 da manhã. Não sei se trabalhavam no dia seguinte ou não, mas o que é certo é que isso não serviu de desculpa para ninguém, mesmo para além dos previsíveis jovens "tipo fnac". E não acredito que fosse apenas porque era à borla porque já vi por esse país fora muita coisa à borla que...
o que eu acho é que o pessoal é mesmo noctívago!

Ouriço disse...

e eu recebi hoje o convite....